Aliança, PDR e RIR celebram o 25 de Novembro de 1975

No próximo dia 25 de Novembro, quarta-feira, pelas 14h00, na Rua General João de Almeida, junto ao Regimento de Lanceiros n.º 2 do Exército Português, onde se encontra uma placa comemorativa dessa data, os partidos Aliança, PDR e RIR, irão prestar uma homenagem a todos aqueles que, em 1975, impediram que fosse implementada uma nova ditadura no nosso país.

O Aliança, PDR e RIR, partidos com uma forte génese democrata, defensores do Estado de direito, da preservação dos Direitos Humanos e da liberdade individual, reprovam qualquer extremismo ou regime de ditadura, ao qual Portugal poderia ter regressado caso não se tivesse impedido a tentativa de golpe de estado por parte de uma fação de extrema-esquerda, implementada dentro das Forças Armadas, pondo nesse dia fim ao Processo Revolucionário em Curso (PREC), data que jamais pode ser esquecida pelos portugueses.

No momento que vivemos, com os direitos constitucionais dos portugueses a ser vilipendiados por um Governo que, em nome de um combate à pandemia feito sem estratégia e de forma incompetente, está a conduzir o País para um caos social e económico, similar ao que se viveu entre 1974 e 1975, a celebração desta data reveste-se de uma importância ainda maior.

“A esquerda, no passado como agora, tem uma tendência genética para limitar a liberdade individual, por incapacidade de viver dentro de parâmetros democráticos. Quando se apoderam do poder, a primeira tarefa é silenciar os adversários e usar o aparelho de Estado para implementar a sua agenda totalitária. Lamentavelmente a história está a repetir-se e é preciso não esquecer” – refere Paulo Bento, presidente do Aliança.

“Inexplicavelmente, são muitos aqueles que têm tentado apagar da história a importância do 25 de Novembro de 1975, que libertou os portugueses da tentativa de ser implementada uma nova ditadura em Portugal.

Por essa razão, não concordo quando alguém diz que esta data é fracturante do povo português e que não devia de ser comemorada, pois, será o equivalente a dizer que, por exemplo, não devemos celebrar a queda do muro de Berlim.

Da mesma forma, é absurdo que tentem conotar esta data com um saudosismo referente a uma outra ditadura, pois isso é manchar a honra e a coragem daqueles heróis que, naquele dia e nos vindouros, lutaram pela liberdade e pelo direito de todos os portugueses, independentemente da sua ideologia partidária, poderem viver em liberdade e em democracia.” – afirma Bruno Fialho, presidente do PDR.

A 25 de novembro de 1975, o caminho para a democracia foi reaberto em Portugal.

45 anos depois, o sistema democrático ainda se constrói. Diariamente sofrendo atropelos, uns mais notórios que outros bem mais camuflados. Hoje recordamos a história, para que assim, possamos lutar contra a degradação do nosso sistema democrático, uma doença que a par da pandemia, afecta os cidadãos portugueses, que se afastam cada vez mais das decisões do poder político. O Partido Reagir Incluir Reciclar assume como uma das suas batalhas, a luta contra a abstenção, incentivando a participação cívica, sempre contra populismos demagógicos. Todos somos importantes na construção de um Portugal melhor.”, declara Márcia Henriques, Vice-presidente do RIR.